Márcio Moraes
"no leito solidário de uma floresta altiva descansem por favor a minha poesia"
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

A moreninha, de Joaquim Manuel de Macedo

Composto por um prólogo, 23 capítulos e um epílogo, A Moreninha segue a trama tradicional dos folhetins românticos, com peripécias, surpresas e revelações. O narrador do livro só é revelado ao leitor ao final da obra, no epílogo, trata-se do próprio Augusto que narra a sua história. Cumprira a aposta feita com Filipe no primeiro capítulo, escrevendo um romance confessando que se apaixonara por uma mesma mulher por mais de quinze dias. Porém, não o faz em primeira pessoa, se posta como um narrador heterodiegético, ou seja, conta os fatos de fora, em terceira pessoa. Em alguns momentos, mostra-se onisciente – “Daqui e de certos fenômenos que acusava a macista, nasceu-lhe o desejo de tomar uma vingançazinha” – em outros, procura chamar à atenção do leitor, agindo como narrador intruso – “Quanto aos homens... não vale a pena!... vamos adiante –, porém a sua observação é destacável. Disso, podemos perceber um singelo intuito metalinguístico. No enredo, predominam-se as ações em vez de os pensamentos. Por isso, o discurso direto, ou seja, as falas das personagens são predominantes; sobretudo nas narrativas secundárias, como a lenda de Ahy e Aiotin e a promessa da infância feita por Augusto e por ele mesmo narrada, bem como seus amores anteriores.

O espaço da narrativa é físico, ou seja, pode ser situado na realidade, Rio de Janeiro, ambiente da corte. A história se inicia com a interação dos amigos num típico quarto de república, ambiente fechado. Contudo, a maior parte dos acontecimentos se dá numa ilha não nomeada pelo narrador, “ilha de...”. É importante se ater a isso, embora historicamente e pelas características apresentadas pela própria obra, a ilha seja de fato Paquetá, o narrador não traz o nome da ilha. O espaço, assim, é a “ilha de...”, onde está a casa de D. Ana e a “gruta dos amores”. Aliás, o narrador não nomeia nem mesmo as ruas, embora apareçam nomes de alguns espaços cariocas como o restaurante Pharoux, ao Campo de Sant’Ana, hoje a Praça da República; Desmarais, famosa perfumaria na Rua do Ouvidor; Largo do Paço, atual praça Quinze de Novembro. Personalidades da época também são mencionados como o dramaturgo e empresário João Caetano dos Santos (1808-1863).

[...]

Quanto à linguagem, o discurso do narrador e das personagens segue predominantemente a formalidade da língua. Frases enfáticas, em estilo aforístico, e metafóricas ilustram o caráter intelectual do autor como nos trechos: “Para viver-se vida boa e livre, é preciso andar com o olho aberto e o pé ligeiro” ; “O amor é um anzol que, quando se engole, agadanha-se logo no coração da gente, donde, se não é com jeito, o maldito rasga, esburaca e se aprofunda” . Contudo, há instantes de distração, comicidade, ironia e irreverência, em que o tom coloquial se destaca principalmente nas falas de personagens: “- É um saco! [...] – Coitadinha! aperta tanto os olhos!” . Muitos termos latinos e franceses são citados, por fazerem parte da cultura da época: “C’est trop fort!” , “Ergo” .

O tempo da história é cronológico, linear, que dura um período de trinta dias, como podemos atestar pelas datas que aparecem no texto. Logo no primeiro capítulo na redação da aposta temos “20 de julho de 18...” e no epílogo, a data de “20 de agosto de 18...”, representando justamente o prazo dado a Augusto por Filipe. A narrativa, porém, é interrompida por lembranças e histórias passadas, mediante o recurso do flashback (analepse), como no momento em que Augusto fala de sua promessa infantil e suas experiências amorosas para D. Ana, e quando esta relata a história dos amantes tamoios.

Quanto às personagens da obra, ressalta-se o caráter plano. Ainda que Augusto se apresente inconstante e ao final torna-se constante, ele só agiu segundo o seu próprio coração. Na verdade, ele era constante ao amor de “sua mulher” da infância e o continuou sendo, ao se apaixonar pela Moreninha, que era a mesma pessoa. Alguns personagens secundários ilustram tipos sociais. Rafael e Tobias são escravos. O primeiro serve a Augusto e recebe do seu amo castigos corporais; o segundo, criado de D. Joana, mostra certa esperteza quanto à questão de dinheiro. D. Ana, a típica anfitriã, compreensiva, bondosa e de experiente vida. D. Violante, a senhora inconveniente e desagradável. Quinquinha, Joaninha, Clementina, Gabriela incorporam o espírito das moças namoradeiras, cada qual com suas exigências no quesito amor; porém, todas típicas burguesas, apreciadoras de requintes e desvelos. Os amigos Augusto, Fabrício, Leopoldo e Filipe representam, por sua vez, rapazes burgueses, dados a carraspanas e a namoros; todos, estudantes de Medicina, curso tradicional da elite e de status social. Os jovens, portanto, ganham destaque na narrativa de Macedo, com suas aventuras amorosas, recheadas de ingredientes de romantismo, troca de cartas, presentes, danças, elogios.

Leia a análise completa em O verbo mulher.
Adquira o livro: Clique aqui!
Márcio Adriano Moraes
Enviado por Márcio Adriano Moraes em 12/09/2017
Alterado em 12/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de Márcio Adriano Moraes e o site www.marcioadrianomoraes.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Ler-se(r) R$25,00 O verbo mulher R$20,00 A palavra drama na cor(a)som do infante R$20,00
Rosarium R$10,00 Trovaecia R$20,00 assim alado R$20,00
Enlace R$10,00 Via Crucis R$20,00 Genuíno R$20,00
A palavra-vida de um corpo quedo: uma leitura... R$15,00 Ceifando vidas e semeando letras R$15,00 Passaportes: viagens guiadas por Lygia Fagund... R$15,00
O humano insano e as palavras do infante em G... R$15,00 A cor do subúrbio em Clara dos Anjos R$15,00 A cor negra da canção dos anjos R$15,00
Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Gêneros Textuais: no cotidiano, no vestibular R$25,00 Crepúsculo de arame R$25,00
Vende-se amor R$25,00 Apenas rascunhos R$35,00 29º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético R$10,00
Os 50 melhores Sonetos do 7º Festival de Sone... R$10,00 5º Prêmio Literário de Poesia Portal Amigos d... R$10,00 XVII Prêmio PMMG de Poesia 2015 R$10,00
Antologia Jubileu de Ouro da Unimontes: prosa... R$10,00 Antologia Psiu Poético 2010: cinepoesia R$10,00 Antologia do 21º Psiu Poético: montesclarosci... R$10,00
Antologia do 23º Psiu Poético: a invenção dos... R$10,00 Poetas de uma só Língua R$10,00 A Deusa das Letras: Centenário de Nascimento ... R$10,00
Psiu Poético + 25: 26º Salão Nacional de Poes... R$10,00 Psiu Poético 25: 01 Quarto de Século do Salão... R$10,00 De todas as cores: 24º Salão Nacional de Poes... R$10,00
Poetas En/Cena 5: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 4: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 3: Reunião de poemas de poetas... R$10,00
Poetas de todos os cantos II R$10,00 Poetas de todos os cantos I R$10,00