Márcio Moraes
"no leito solidário de uma floresta altiva descansem por favor a minha poesia"
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

Eu, de Augusto dos Anjos
 

Eu é uma obra expressionista, composta dentro da mágoa, dentro da dor, como se tivesse sido edificada em um leito de hospital ou num cemitério, por um coração ultrassensível, aflito, melancólico, inconformado, frustrado. Vislumbramos reflexões existenciais constantes, de teor confessional. O título já sugere um autorretrato, um egocentrismo, uma autopsicologia. Sobre o poeta e sua veia simbolista, comenta Nejar,
 
Criava escuridão, signos negros, vislumbrava pessimismo ou desespero em tudo, influenciado pelos livros vinculados à evolução, transformismo e determinismo. E era, como se fora, irmão mais moço de Baudelaire, não com a inteligência das flores do mal, porém com as flores do mal na inteligência (NEJAR, 2011, p. 235).
 
O poema de abertura do livro Eu é “Monólogo de uma sombra”, o qual apresenta o plano poético de Augusto dos Anjos. É um longo poema em que o eu se apresenta como uma Sombra, sendo a voz de todo o poema, tirante as três últimas estrofes, declarando suas impressões. Percebemos, portanto, o lócus da produção poética, dentro da sombra, região escura, isenta de luz. Colocando em discussão “mundo” e “sujeito” pela sua diferenciação, o eu é formado por uma “simbiose” da qual decorrem “A saúde das forças subterrâneas/ E a morbidez dos seres ilusórios!”, trazendo em si “A solidariedade subjetiva/ De todas as espécies sofredoras”.[1]

A visão do poeta é crítica, pois ele se coloca na posição de um ente que paira “acima dos mundanos tectos”, como um ser superior. O repúdio à humanidade e proximidade com os seres inferiores, a podridão, a filosofia existencial que aparecem em todo o Eu é anunciado neste quinteto: “Mostro meu nojo à Natureza Humana./ A podridão me serve de Evangelho.../ Amo o esterco, os resíduos ruins dos quiosques/ E o animal inferior que urra nos bosques/ É com certeza meu irmão mais velho!”. Antecipa a morte, pois “o próprio túmulo olha”, aceita sua “vocação para a Desgraça”. Sua condição de ser pensante é, aqui no poema, o “mineiro doido das origens/ Que se chama Filósofo Moderno”, quebrando normas e percebendo que “todas as cousas se reduzem” no “horror dessa mecânica nefasta”. Para Augusto, o Homem é apenas clavículas, abdômen, coração, boca, uma “Engrenagem de vísceras vulgares” de “apodrecimentos musculares”, em que “os vermes assassinos” brincam “Como as cadelas”. Dessa “trágica festa”, “A bacteriologia inventariante:/ Toma conta do corpo que apodrece”, “Vendo as larvas malignas que se embrulham/ No cadáver malsão, fazendo um s”.
 
Somente a Arte, esculpindo a humana mágoa,
Abranda as rochas rígidas, torna água
Todo o fogo telúrico profundo
E reduz, sem que, entanto, a desintegre,
À condição de uma planície alegre,
A aspereza orográfica do mundo!
 
A arte é vista como o abrandamento da mágoa humana, sem, contudo, desintegrar os obstáculos mundanos. Pelo contrário, mostra de forma mais límpida as feridas. Eis a poesia de Augusto dos Anjos que, por ser sincera, choca, propondo uma análise muito mais ampla e significativa da vida. Nas três últimas estrofes, o poeta assume a voz do poema afirmando ser o monólogo da Sombra “a elegia panteística do Universo”. Para Souza (2009), Augusto dos Anjos
 
Embora tenha uma forma carcomida e padeça no mundo como todos os outros seres humanos, em seu ser – e não no de nenhum outro – é traçada a estrutura de um mundo superior. Ele é, indiscutivelmente, um ser diferente. E tudo isso nos leva a divisar uma espécie de dicotomia – entre essa natureza material, podre e perecível, provinda do mundo sensível, e a natureza transcendental e ideal, a qual abriga em si as engrenagens de algo muito além do mundo em que este eu lírico vive (SOUZA, 2009, p. 32).
 
Nos versos desse poema e em outros, sobretudo, os mais longos, como “As cimas do destino”, “Os doentes”, “Noite de um visionário”, “A ilha de Cipango”, “Poema Negro”, “Queixas noturnas” e “Insônia”, a poesia assume uma maior abstração, numa transição entre a veia simbolista e a científica do poeta. Pela limitação de espaço, refletiremos um pouco apenas sobre “As cimas do destino” e “Os doentes”.
Há, em “As cismas do destino”, o que Helena (1984, p. 24) chamou de “enfoque caleidoscópico da paisagem”. O eu passeia por dentro e por fora de si. O cenário horrendo é a causa de suas reflexões e melancolia. Nesse poema, o seu olhar sai de si e foca-se no outro ou na decadência ao seu redor. O ambiente é Recife. O eu passeia assombrado com sua sombra magra. Pensa no destino com medo. Elementos urbanos aparecem: calçamento, ponte, edifícios; atrelados a animais: rinocerontes, cães famintos. O aspecto da cidade é feroz como se “uma besta solta/ soltasse o berro da animalidade”. Com um olhar naturalista, observa a promiscuidade, o amor humano que o poeta reduziu “a cega e torpe luta de células, cujo fim não é senão criar um projeto de cadáver” (BOSI, 2006, p. 290).

Leia o artigo completo: Clique aqui!
 

[1] Para maior fluência do texto e pelo excesso de citações dos versos de Augusto dos Anjos, abstemo-nos de mencionar todas as páginas. Esclarecemos, porém, que os três poemas aqui analisados encontram-se em AUGUSTO, 2010; “Monólogo de uma sombra” da página 31 a 37; “As cismas do destino”, da página 43 a 57; “Os doentes”, da página 65 a 80.
Márcio Adriano Moraes
Enviado por Márcio Adriano Moraes em 13/05/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de Márcio Adriano Moraes e o site www.marcioadrianomoraes.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Ler-se(r) R$25,00 O verbo mulher R$20,00 A palavra drama na cor(a)som do infante R$20,00
Rosarium R$10,00 Trovaecia R$20,00 assim alado R$20,00
Enlace R$10,00 Via Crucis R$20,00 Genuíno R$20,00
A palavra-vida de um corpo quedo: uma leitura... R$15,00 Ceifando vidas e semeando letras R$15,00 Passaportes: viagens guiadas por Lygia Fagund... R$15,00
O humano insano e as palavras do infante em G... R$15,00 A cor do subúrbio em Clara dos Anjos R$15,00 A cor negra da canção dos anjos R$15,00
Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Gêneros Textuais: no cotidiano, no vestibular R$25,00 Crepúsculo de arame R$25,00
Vende-se amor R$25,00 Apenas rascunhos R$35,00 29º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético R$10,00
Os 50 melhores Sonetos do 7º Festival de Sone... R$10,00 5º Prêmio Literário de Poesia Portal Amigos d... R$10,00 XVII Prêmio PMMG de Poesia 2015 R$10,00
Antologia Jubileu de Ouro da Unimontes: prosa... R$10,00 Antologia Psiu Poético 2010: cinepoesia R$10,00 Antologia do 21º Psiu Poético: montesclarosci... R$10,00
Antologia do 23º Psiu Poético: a invenção dos... R$10,00 Poetas de uma só Língua R$10,00 A Deusa das Letras: Centenário de Nascimento ... R$10,00
Psiu Poético + 25: 26º Salão Nacional de Poes... R$10,00 Psiu Poético 25: 01 Quarto de Século do Salão... R$10,00 De todas as cores: 24º Salão Nacional de Poes... R$10,00
Poetas En/Cena 5: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 4: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 3: Reunião de poemas de poetas... R$10,00
Poetas de todos os cantos II R$10,00 Poetas de todos os cantos I R$10,00