Márcio Moraes
"no leito solidário de uma floresta altiva descansem por favor a minha poesia"
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos


Crônica publicada no jornal “O Norte”, Montes Claros-MG, 6 de abril de 2011.

 
O louco da loucura mais suprema

 
 
Na grandiosa tela, belas bailarinas se equilibram na ponta de suas sapatilhas. Ao som de Tchaikovski, pas de chat, pas de cheval e muitos outros passos. Um novo movimento poderia ser acrescido, pas de swan, já que no palco tantos cisnes bailavam. E uma bela mulher, noiva da agonia, é obrigada a conviver com seu lado branco e seu lado negro, carnal e místico. Seu corpo passa a sentir desejos espirituais e sua alma, carnais. No seu transtorno psicológico, já não há real nem surreal. E na alegria sinta-se tristeza. A antítese do Eu e do Outro.

Nas poltronas acolchoadas, sentam-se dois casais. A suavidade artística das imagens e a explosão amorosa pela perfeição preencheram os olhares femininos. Mas os olhos do poeta-músico centravam-se na música misteriosa, na música da morte; enquanto que os olhares do poeta-psicólogo convergiam para os cabelos, olhos, boca, seios, mãos, pés, corpo.

A hipnose é quase coletiva. Ébrios e cegos. E o transe ultrapassa qualquer divã. O martelo no ouvido movimenta em demi-pliè. As pipocas saltam em petit jeté. E o cristalino se torna turvo. A lubricidade explode, como se estivesse presa por eras, acumulando os sentimentos carnais até não mais aguentar. E tudo cai num crepúsculo, num limiar entre a clareza do dia e escuridão da noite. Começa, então, a puxar tudo para cima, e o corpo se alinha em placement e já se vislumbra algo transcendente. O sensual convida a uma entrega recolta de estrelas. As asas negras sobrepõem às brancas. É a vitória da sombra. É a vitória do outro.

O poeta-músico se levanta da poltrona com todos os sons en croix na sua mente. E as formas alvas, brancas, claras, cristalinas tornam-se negras, pretas, escuras, opacas. O poeta-psicólogo se ergue e, na sua mente, sublimação, identificação, projeção, acting-out. Nem tudo Freud explica. Conversam sobre o espetáculo no hall. Cada qual com sua garota mergulham em mares distintos.

Numa mesa de bar, junto com sua sereia, o poeta-psicólogo tentava fazer a digestão da história vista. A perturbação era nítida, precisava ligar para o amigo poeta-músico. Com seu ouvido aguçado, poderia ter escutado algo que elucidasse o conflito entre as instâncias da personalidade, ego, id, superego. O poeta-músico estava com sua pedra preciosa precipitando palavras por todos os poros, mergulhado em sua áurea simbólica e mística numa praça.

O telefone toca à meia noite. O poeta-psicólogo convida o amigo para se juntar a suas reflexões regradas a gato negro. Mas o amigo não aceita o convite, afinal já era muito tarde e já estava dormindo. O poeta-psicólogo não compreende como o amigo já estava em sua casa e já dormindo tão rapidamente. O amigo não estava entendo nada, deitara-se para descansar às oito da noite, estava fatigado, passou o dia todo negociando imóveis. O poeta-psicólogo não prolongou a conversa e percebeu que havia ligado para o amigo errado. Mas a voz era tão parecida. Não, esse não era o poeta-músico. Afinal, corretor de imóveis não era uma profissão paralela do amigo, não que ele soubesse. Disca novamente, tendo o cuidado de digitar o número correto. E o mesmo amigo atende.

O poeta-psicólogo conferiu por algumas vezes o número. Era o número do poeta-músico. Nesse ponto, concluiu que o poeta-músico não assistiu ao filme. Não se encontraram. Tudo era sua imaginação. Mas sua garota também viu o poeta-músico no cinema. Um delírio coletivo. Fazia, realmente, muito tempo que eles não se viam, o poeta-músico poderia ter assumido a direção de alguma imobiliária. O filme não fez bem para sua digestão.

Numa praça, o poeta-músico conversa ao telefone com o amigo poeta-psicólogo. Aceita o convite e se dirige com sua garota ao bar indicado. Demora cerca de treze minutos para chegar ao local. Olha, ouve, mas não vê nem escuta o poeta-psicólogo. Retira o telefone do bolso e confere a ligação. Realmente recebeu a ligação do amigo. Olha para sua garota, desconfiado de que estivesse louco, mas ela também ouviu a conversa. Um delírio coletivo. Ele não conversara com o poeta-psicólogo. Mas a voz era tão parecida. Talvez fora o outro, outro amigo que lhe ligara.

O poeta-psicólogo chega a sua casa e abre um livro simbolista. O poeta-músico, já no seu quarto, abre os Últimos sonetos do Cisne Negro. E juntos leem: “Tu és o louco da imortal loucura,/ O louco da loucura mais suprema./ A terra é sempre a tua negra algema/ Prende-te nela a extrema desventura. [...] Tu és o Poeta, o grande Assinalado/ Que povoas o mundo despovoado,/ De belezas eternas, pouco a pouco/ [...] Os teus espasmos imortais de louco!”
Márcio Adriano Moraes
Enviado por Márcio Adriano Moraes em 19/05/2013
Alterado em 28/12/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

O olhar do outro no íntimo do eu R$20,00 Atando as pontas entre amores e dores R$20,00 A palavra-colônia em prosa-verso e cenas R$20,00
Ler-se(r) R$25,00 Rosarium R$10,00 Trovaecia R$20,00
assim alado R$20,00 Enlace R$10,00 Via Crucis R$20,00
Genuíno R$20,00 A palavra-vida de um corpo quedo: uma leitura... R$15,00 O verbo mulher R$20,00
A palavra drama na cor(a)som do infante R$20,00 Ceifando vidas e semeando letras R$15,00 Passaportes: viagens guiadas por Lygia Fagund... R$15,00
O humano insano e as palavras do infante em G... R$15,00 A cor do subúrbio em Clara dos Anjos R$15,00 A cor negra da canção dos anjos R$15,00
Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Trinta anos-luz: poetas celebram 30 anos de P... R$10,00
II Antologia FLIVI / AMLAC 2018 R$15,00 Pedaladas poéticas R$10,00 Vende-se amor R$25,00
29º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético R$10,00 Os 50 melhores Sonetos do 7º Festival de Sone... R$10,00 5º Prêmio Literário de Poesia Portal Amigos d... R$10,00
XVII Prêmio PMMG de Poesia 2015 R$10,00 Antologia Jubileu de Ouro da Unimontes: prosa... R$10,00 Antologia Psiu Poético 2010: cinepoesia R$10,00
Antologia do 21º Psiu Poético: montesclarosci... R$10,00 Antologia do 23º Psiu Poético: a invenção dos... R$10,00 Poetas de uma só Língua R$10,00
A Deusa das Letras: Centenário de Nascimento ... R$10,00 Psiu Poético + 25: 26º Salão Nacional de Poes... R$10,00 Psiu Poético 25: 01 Quarto de Século do Salão... R$10,00
Belezas que marcam R$10,00 O companheiro indispensável R$15,00 De todas as cores: 24º Salão Nacional de Poes... R$10,00
Poetas En/Cena 5: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 4: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 3: Reunião de poemas de poetas... R$10,00
Poetas de todos os cantos II R$10,00 Poetas de todos os cantos I R$10,00