Márcio Moraes
"no leito solidário de uma floresta altiva descansem por favor a minha poesia"
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

 
O colar

O pescador cumpria o seu ritual diário. Madrugada fria, na mão todos os apetrechos de pesca. Era preciso ganhar o pão, o sustento da família iniciada há pouco. Mesmo sendo apenas ele e a esposa, a responsabilidade familiar já prenunciava um lar repleto de rebentos. Com sua vara a punho e sua rede, preparou a pequena embarcação. Rio Velho Chico.

Lançado às águas o anzol afunda à espera de uma fisgada. Manhã inteira de arremessos. Uma rede plantada em um local do rio estratégico, outra rede plantada na relva entre árvores, descanso. A tarde chega e surpreendentemente uma greve geral dos cardumes. Nenhum peixe, nenhuma fisga. O ensopado noturno não estava garantido. A venda do próximo domingo não estava garantida. Um trabalho não recompensando. Nenhum Cristo apareceu pedindo para jogar a rede do outro lado do barco. Entre a tarde e a noite, um último arremesso. Uma fisgada diferente. Ao puxar a linha, no anzol, um colar de quartzo. Magnífico, brilhante, feminino e, sobretudo, muito estranho. Rio solitário, só o pescador, seu barco e o colar. Alguém obviamente o perdera, mas impossível reconhecer o seu dono ou dona. Perfeito, praticamente intacto. O melhor peixe.

Em casa, o sorriso triste pela má pescaria foi convertido em uma estampa alegre. Mãos atrás, minha senhora um presente do rio para nós. Abraços e beijos. A mulher coloca o colar no pescoço, lamenta por ter de vendê-lo. O marido nega, não há dinheiro mais valioso que o sorriso da esposa. O espelho refletia uma bela imagem feminina, agora mais humana com uma pedra lapidada brilhando entre os seios. O marido insiste para sua senhora não o tirar.

Manhã próxima, novo ritual de pesca. Deixa o marido a casa. A esposa iniciaria um serviço no centro da pequena vila. Moravam distantes, à beira do rio. Escancarar a jóia no peito seria um afronto para a comunidade ribeirinha de simplicidade. O casal não tinha dinheiro suficiente para tal artefato. Mas era um simples colar de quartzo? Magnífico, sim, mas feito de uma linha de pesca e de pedras que se encontram ao monte no chão. Não seria luxo. Porém, seriam acusados de criminosos, ladrões. A mulher não saberia fazer tal colar, muito menos o pescador. Mas quem os acusaria, quem exigiria o colar de volta? Ninguém ali, aparentemente, saberia fabricar um colar tão perfeitamente lapidado. Nenhum morador ostentaria tal artefato no peito. Foi, sim, um presente do rio. Sobre o peito delicado, o colar brilhava, e sobre o colar uma blusa colorida de gola frouxa até o pescoço. Ninguém notaria. Só o ego feminino satisfeito.

A mulher abaixa para pegar uma pequena moeda caída no chão. A moeda, sim, era de algum conterrâneo. Pela falta de postura, deixa entrever o colar. Um homem olha e fita as pedras no pescoço embelezando os seios. Começa a observar a senhora do pescador, seguir o seu trajeto. Aguarda misteriosamente o fim do expediente. A mulher retorna a sua casa com o peito carregado de alegria. O homem a segue.

Já afastada da vila a mulher não percebe o seguidor. No caminho estreito que dá acesso à singela casa, entre um mato crescido, o homem a surpreende anunciando um assalto. Assustada, mas muito corajosa a mulher corre. Não grita. Os passos do estranho a seguem e a alcançam. Tapa no rosto barbudo. Soco no ventre fecundado. E outros socos nos lábios sem batons. Um puxão, e o colar é arrancado do peito. O homem foge com o presente do rio na mão. A mulher ferida termina a sua caminhada rumo a casa. O marido à espera. Ao deparar com sua esposa ferida, foi dominado de terrível ira. Mãos na garrucha à procura do barbudo. Nenhum sinal. Não avisou a polícia, a justiça chegaria de outra forma.

Outra manhã, o rio espera o pescador que lamenta a infelicidade da esposa, prepara sua vara e rede. Como nos últimos dias nenhum peixe. Não quebrando seu ritual, arremessa a vara uma última vez. A fisgada diferente. Puxa a linha, e preso ao anzol o colar de quartzo.
Márcio Adriano Moraes
Enviado por Márcio Adriano Moraes em 19/05/2013
Alterado em 20/12/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

O olhar do outro no íntimo do eu R$20,00 Atando as pontas entre amores e dores R$20,00 A palavra-colônia em prosa-verso e cenas R$20,00
Ler-se(r) R$25,00 Rosarium R$10,00 Trovaecia R$20,00
assim alado R$20,00 Enlace R$10,00 Via Crucis R$20,00
Genuíno R$20,00 A palavra-vida de um corpo quedo: uma leitura... R$15,00 O verbo mulher R$20,00
A palavra drama na cor(a)som do infante R$20,00 Ceifando vidas e semeando letras R$15,00 Passaportes: viagens guiadas por Lygia Fagund... R$15,00
O humano insano e as palavras do infante em G... R$15,00 A cor do subúrbio em Clara dos Anjos R$15,00 A cor negra da canção dos anjos R$15,00
Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Trinta anos-luz: poetas celebram 30 anos de P... R$10,00
II Antologia FLIVI / AMLAC 2018 R$15,00 Pedaladas poéticas R$10,00 Vende-se amor R$25,00
29º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético R$10,00 Os 50 melhores Sonetos do 7º Festival de Sone... R$10,00 5º Prêmio Literário de Poesia Portal Amigos d... R$10,00
XVII Prêmio PMMG de Poesia 2015 R$10,00 Antologia Jubileu de Ouro da Unimontes: prosa... R$10,00 Antologia Psiu Poético 2010: cinepoesia R$10,00
Antologia do 21º Psiu Poético: montesclarosci... R$10,00 Antologia do 23º Psiu Poético: a invenção dos... R$10,00 Poetas de uma só Língua R$10,00
A Deusa das Letras: Centenário de Nascimento ... R$10,00 Psiu Poético + 25: 26º Salão Nacional de Poes... R$10,00 Psiu Poético 25: 01 Quarto de Século do Salão... R$10,00
Belezas que marcam R$10,00 O companheiro indispensável R$15,00 De todas as cores: 24º Salão Nacional de Poes... R$10,00
Poetas En/Cena 5: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 4: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 3: Reunião de poemas de poetas... R$10,00
Poetas de todos os cantos II R$10,00 Poetas de todos os cantos I R$10,00