Márcio Moraes
"no leito solidário de uma floresta altiva descansem por favor a minha poesia"
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

Debaixo da cama
 

A ânsia dominava o rapaz. Os seus poros exalavam sonhos, desejos ardentes, corpo em alto grau, quentura sobrenatural. Um momento há muito esperado e tantas vezes adiado. A moça também ardia por aquele instante, enxergar-se límpida. O clima deveria ser magno, único; afinal seria a primeira vez dos dois. E finalmente chega o dia, pai e mãe se ausentam. O impedimento paternal estava solucionado, mas faltava o fraternal.

O combinado foi feito por telefone. A moça liga para o rapaz e marca a sessão às 19h. O irmão estaria jogando bola a partir desse horário e até por volta das 22h não retornaria a casa. Pontualmente, o rapaz chega eufórico, armado e bem preparado com todos os apetrechos necessários para consumar o ato. Não poderia haver falhas, da primeira vez nunca se esquece. A moça abre a porta singelamente, e os olhos se encontram sem timidez. O cumprimento esperado de sempre, lábios estendidos, e braços se cruzando.

Tudo seria feito na cama dos pais, espaço adequado. A moça prepara o ambiente, o rapaz entra no banheiro e troca a sua indumentária. Não poderia concretizar aquele ato de qualquer forma, com qualquer roupa. Para essas ocasiões são necessários panos adequados ou ausência de panos inadequados. Depois de arrumada a cama e por cima dela os itens necessários dispostos, a moça também foi ao banheiro e trocou suas vestes. Com todos os acessórios prontos, o rapaz e a moça começam o ato. Ele se oferece primeiro e deita na cama e fica com o abdômen para cima; a moça se coloca numa posição superior para perceber todos os detalhes que o corpo proporciona. Com as mãos femininas sente a pele e vê a necessidade de sua atuação. Apesar de ser a primeira vez dos dois, a moça teria uma atuação mais ativa que o rapaz, pois estudara muito sobre o assunto que é tipicamente feminino.

Ele então se vira agora com as costas expostas, a moça novamente faz os gestos esperados, passando tudo sobre as costas. Volta a posição primaria, e a moça, depois de exercitar os músculos com suas mãos, começa a realizar o desejo tão sonhado; peito, virilha, pernas tocadas. Põe com delicadeza e depois tira, puxando com muito carinho para não sentir dor. Contudo, é impossível não sentir dores naquele momento. Gritos são dados, sussurros também. Palavras de força, de incentivo são ditas entre os movimentos. Um gozo intenso! Ao lado da cama eram depositadas...

O portão bate. O ato estava quase concluído, quando a moça percebeu a chegada do irmão mais velho. Perigo! O irmão não aceitaria jamais aquilo acontecendo na cama de seus pais. A irmã se desespera e tranca a porta do quarto. O rapaz fica atônito, sem reação. A moça sugeriu o guarda-roupa, mas ele preferiu jogar-se embaixo da cama com a roupa minúscula. A moça abre a porta e disfarça. O irmão quer saber por que a porta estava trancada, sente um clima diferente no ar. Desajeitada, a garota acabou se esquecendo de limpar tudo com precisão, e pedaços de ceras ficaram jogados no solo. Sob a cama o rapaz tremendo de medo, envergonhado, sem saber o que fazer, o suor descendo tão rapidamente que o assoalho já estava todo molhado.

O irmão, no quarto, percebe pêlos sobre a cama bagunçada, um cheiro estranho. Uma pinça no chão denuncia algo errado, abaixa para pegá-la e ao olhar debaixo da cama vê o rapaz só de cueca. Fica enfurecido, grita, esbraveja; um rapaz no quarto dos pais sozinho junto com a irmã! O rapaz sai daquela situação envergonhado e fica em pé à frente do irmão que olha aquele corpo branco e sem pêlos. Não houve tempo necessário para concluir as pernas que estavam ainda com cera. A moça entra no quarto e começa a xingar o irmão que tinha estragado todo aquele momento. Vários pensamentos passaram na mente do irmão que, sem saber o que dizer, sai do quarto recomendando a irmã que limpasse aquela sujeira. O rapaz veste a sua roupa, agradece à moça, ela se desculpa, e vai embora. Ficou durante algum tempo sem usar roupas curtas, até que os pêlos voltassem a crescer...
Márcio Adriano Moraes
Enviado por Márcio Adriano Moraes em 19/05/2013
Alterado em 08/12/2019
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (você deve citar a autoria de Márcio Adriano Moraes e o site www.marcioadrianomoraes.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

O olhar do outro no íntimo do eu R$20,00 Atando as pontas entre amores e dores R$20,00 A palavra-colônia em prosa-verso e cenas R$20,00
Ler-se(r) R$25,00 Rosarium R$10,00 Trovaecia R$20,00
assim alado R$20,00 Enlace R$10,00 Via Crucis R$20,00
Genuíno R$20,00 A palavra-vida de um corpo quedo: uma leitura... R$15,00 O verbo mulher R$20,00
A palavra drama na cor(a)som do infante R$20,00 Ceifando vidas e semeando letras R$15,00 Passaportes: viagens guiadas por Lygia Fagund... R$15,00
O humano insano e as palavras do infante em G... R$15,00 A cor do subúrbio em Clara dos Anjos R$15,00 A cor negra da canção dos anjos R$15,00
Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Trinta anos-luz: poetas celebram 30 anos de P... R$10,00
II Antologia FLIVI / AMLAC 2018 R$15,00 Pedaladas poéticas R$10,00 Vende-se amor R$25,00
29º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético R$10,00 Os 50 melhores Sonetos do 7º Festival de Sone... R$10,00 5º Prêmio Literário de Poesia Portal Amigos d... R$10,00
XVII Prêmio PMMG de Poesia 2015 R$10,00 Antologia Jubileu de Ouro da Unimontes: prosa... R$10,00 Antologia Psiu Poético 2010: cinepoesia R$10,00
Antologia do 21º Psiu Poético: montesclarosci... R$10,00 Antologia do 23º Psiu Poético: a invenção dos... R$10,00 Poetas de uma só Língua R$10,00
A Deusa das Letras: Centenário de Nascimento ... R$10,00 Psiu Poético + 25: 26º Salão Nacional de Poes... R$10,00 Psiu Poético 25: 01 Quarto de Século do Salão... R$10,00
Belezas que marcam R$10,00 O companheiro indispensável R$15,00 De todas as cores: 24º Salão Nacional de Poes... R$10,00
Poetas En/Cena 5: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 4: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 3: Reunião de poemas de poetas... R$10,00
Poetas de todos os cantos II R$10,00 Poetas de todos os cantos I R$10,00