Márcio Moraes
"no leito solidário de uma floresta altiva descansem por favor a minha poesia"
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

 
Debaixo da cama


 
A ânsia dominava o rapaz. Os seus poros exalavam sonhos, desejos ardentes, corpo em alto grau, quentura sobrenatural. Um momento há muito esperado e tantas vezes adiado. A moça também ardia por aquele instante, enxergar-se límpida. O clima deveria ser magno, único; afinal seria a primeira vez dos dois. E finalmente chega o dia, pai e mãe se ausentam. O impedimento paternal estava solucionado, mas faltava o fraternal.

O combinado foi feito por telefone. A moça liga para o rapaz e marca a sessão às 19h. O irmão estaria jogando bola a partir desse horário e até por volta das 22h não retornaria a casa. Pontualmente, o rapaz chega eufórico, armado e bem preparado com todos os apetrechos necessários para consumar o ato. Não poderia haver falhas, da primeira vez nunca se esquece. A moça abre a porta singelamente, e os olhos se encontram sem timidez. O cumprimento esperado de sempre, lábios estendidos, e braços se cruzando.

Tudo seria feito na cama dos pais, espaço adequado. A moça prepara o ambiente, o rapaz entra no banheiro e troca a sua indumentária. Não poderia concretizar aquele ato de qualquer forma, com qualquer roupa. Para essas ocasiões são necessários panos adequados ou ausência de panos inadequados. Depois de arrumada a cama e por cima dela os itens necessários dispostos, a moça também foi ao banheiro e trocou suas vestes. Com todos os acessórios prontos, o rapaz e a moça começam o ato. Ele se oferece primeiro e deita na cama e fica com o abdômen para cima; a moça se coloca numa posição superior para perceber todos os detalhes que o corpo proporciona. Com as mãos femininas sente a pele e vê a necessidade de sua atuação. Apesar de ser a primeira vez dos dois, a moça teria uma atuação mais ativa que o rapaz, pois estudara muito sobre o assunto que é tipicamente feminino.

Ele então se vira agora com as costas expostas, a moça novamente faz os gestos esperados, passando tudo sobre as costas. Volta a posição primaria, e a moça, depois de exercitar os músculos com suas mãos, começa a realizar o desejo tão sonhado; peito, virilha, pernas tocadas. Põe com delicadeza e depois tira, puxando com muito carinho para não sentir dor. Contudo, é impossível não sentir dores naquele momento. Gritos são dados, sussurros também. Palavras de força, de incentivo são ditas entre os movimentos. Um gozo intenso! Ao lado da cama eram depositadas...

O portão bate. O ato estava quase concluído, quando a moça percebeu a chegada do irmão mais velho. Perigo! O irmão não aceitaria jamais aquilo acontecendo na cama de seus pais. A irmã se desespera e tranca a porta do quarto. O rapaz fica atônito, sem reação. A moça sugeriu o guarda-roupa, mas ele preferiu jogar-se embaixo da cama com a roupa minúscula. A moça abre a porta e disfarça. O irmão quer saber por que a porta estava trancada, sente um clima diferente no ar. Desajeitada, a garota acabou se esquecendo de limpar tudo com precisão, e pedaços de ceras ficaram jogados no solo. Sob a cama o rapaz tremendo de medo, envergonhado, sem saber o que fazer, o suor descendo tão rapidamente que o assoalho já estava todo molhado.

O irmão, no quarto, percebe pêlos sobre a cama bagunçada, um cheiro estranho. Uma pinça no chão denuncia algo errado, abaixa para pegá-la e ao olhar debaixo da cama vê o rapaz só de cueca. Fica enfurecido, grita, esbraveja; um rapaz no quarto dos pais sozinho junto com a irmã! O rapaz sai daquela situação envergonhado e fica em pé à frente do irmão que olha aquele corpo branco e sem pêlos. Não houve tempo necessário para concluir as pernas que estavam ainda com cera. A moça entra no quarto e começa a xingar o irmão que tinha estragado todo aquele momento. Vários pensamentos passaram na mente do irmão que, sem saber o que dizer, sai do quarto recomendando a irmã que limpasse aquela sujeira. O rapaz veste a sua roupa, agradece à moça, ela se desculpa, e vai embora. Ficou durante algum tempo sem usar roupas curtas, até que os pêlos voltassem a crescer...
Márcio Adriano Moraes
Enviado por Márcio Adriano Moraes em 19/05/2013
Alterado em 20/12/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Ler-se(r) R$25,00 Rosarium R$10,00 Trovaecia R$20,00
assim alado R$20,00 Enlace R$10,00 Via Crucis R$20,00
Genuíno R$20,00 A palavra-vida de um corpo quedo: uma leitura... R$15,00 O verbo mulher R$20,00
A palavra drama na cor(a)som do infante R$20,00 Ceifando vidas e semeando letras R$15,00 Passaportes: viagens guiadas por Lygia Fagund... R$15,00
O humano insano e as palavras do infante em G... R$15,00 A cor do subúrbio em Clara dos Anjos R$15,00 A cor negra da canção dos anjos R$15,00
Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Gêneros Textuais: no cotidiano, no vestibular R$25,00 Trinta anos-luz: poetas celebram 30 anos de P... R$10,00
Pedaladas poéticas R$10,00 Crepúsculo de arame R$25,00 Vende-se amor R$25,00
Apenas rascunhos R$35,00 29º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético R$10,00 Os 50 melhores Sonetos do 7º Festival de Sone... R$10,00
5º Prêmio Literário de Poesia Portal Amigos d... R$10,00 XVII Prêmio PMMG de Poesia 2015 R$10,00 Antologia Jubileu de Ouro da Unimontes: prosa... R$10,00
Antologia Psiu Poético 2010: cinepoesia R$10,00 Antologia do 21º Psiu Poético: montesclarosci... R$10,00 Antologia do 23º Psiu Poético: a invenção dos... R$10,00
Poetas de uma só Língua R$10,00 A Deusa das Letras: Centenário de Nascimento ... R$10,00 Psiu Poético + 25: 26º Salão Nacional de Poes... R$10,00
Psiu Poético 25: 01 Quarto de Século do Salão... R$10,00 De todas as cores: 24º Salão Nacional de Poes... R$10,00 Poetas En/Cena 5: uma reunião de poemas de po... R$10,00
Poetas En/Cena 4: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 3: Reunião de poemas de poetas... R$10,00 Poetas de todos os cantos II R$10,00
Poetas de todos os cantos I R$10,00