Márcio Moraes
"no leito solidário de uma floresta altiva descansem por favor a minha poesia"
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos

Conto publicada no jornal “O Norte”, dia 18 de abril de 2010

 
A hora do delírio


 
O caminho era longo como os braços que desejavam alcançar o corpo distante. Mas apesar do trajeto nada fácil, os primeiros passos foram dados com perseverança. Destino desconhecido para aqueles que apenas acompanham com os olhos a rotação dos ponteiros. O vento com seu livre arbítrio não direcionava a sua corrente de ar, de forma que ora o rosto saciava-se com o cheiro de terra molhada trazido por Eólo, ora sentia uma rajada que impulsionava para frente.

Pensava a todo instante naquele corpo que deveria esperar. Chegar o mais rápido possível ao destino, sem atinar para o tino. Com uma camisa branca e um chapéu de palha, o trajeto foi percorrido, ou melhor, iniciado. E mesmo com a ânsia destruidora do corpo, das vontades espirituais e carnais, a caminhada foi realizada sem a corrida habitual. Com os pés no solo árido daquele terreno distante da civilização, o interior era preenchido de reflexões passadas, presentes e futuras. Lançando pedras ao ar, a maior parte do tempo de olhos cerrados, serrando os punhos e deixando escorrer o sangue. Maneira estranha de marcar um caminho. Pães não havia no tiracolo. Era preciso interagir com o meio, registrar a passagem terrena feita sobre uma rena imaginária, ao som de uma bela ária.

Ela vinha indistinta tal uma clandestina no espelho traidor da memória. Bom seria apagar da retina as imagens infiéis e verdadeiras, mantendo apenas a ficcionalidade benéfica criadora dos sonhos. Ingrata e sem graça é a decisão cerebral. Maldita seja a descoberta de Cabral! Percebe-se com dor que o apagador não é capaz de apagar a dor, essa constante da vida mundana que vem com juros a pagar. Via-a inconfundível no pano fúnebre das reminiscências. E como a adorava, e como a desejava, ainda que sua beleza fosse causa de desgraça.

Não podia parar, deveria seguir estas pegadas deixadas na via crucis para poder alcançar o cume do desejo humano. Aquele corpo incorruptível que só se obtém após transpor esta via. É verdade que não faltaram pedras no caminho. Seres gritando vida, implorando para a permanência inerte neste mundo. Jamais alguém chegará ao fundo se não se doar a si mesmo. Mas todos só conseguem enxergar a si mesmos quando os nadas assim acusam a existência de algo a se enxergar. Maldita Bemdita Vida!

Seguir fatigado, lançando dados e pulando as quadras. Ah, como será bom tê-la nos braços, como será bom alcançá-la! Retamente, seguindo esta reta ainda que esférica estrada para um dia gozar a mais desejada da gente. A hora do delírio do poente caminheiro. Preencha sempre o cérebro com sua existência. Chame, Grite! Não importa a distância que separa os corpos podres que todos trazem. Ah, Quintana, será verdade o seu baú de espantos: “Tão bom morrer de amor! e continuar vivendo...” não seria, talvez: tão bom viver de amor! e continuar morrendo...
Márcio Adriano Moraes
Enviado por Márcio Adriano Moraes em 15/02/2013
Alterado em 21/12/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Ler-se(r) R$25,00 Rosarium R$10,00 Trovaecia R$20,00
assim alado R$20,00 Enlace R$10,00 Via Crucis R$20,00
Genuíno R$20,00 A palavra-vida de um corpo quedo: uma leitura... R$15,00 O verbo mulher R$20,00
A palavra drama na cor(a)som do infante R$20,00 Ceifando vidas e semeando letras R$15,00 Passaportes: viagens guiadas por Lygia Fagund... R$15,00
O humano insano e as palavras do infante em G... R$15,00 A cor do subúrbio em Clara dos Anjos R$15,00 A cor negra da canção dos anjos R$15,00
Estudo Sólido de Literatura R$15,00 Gêneros Textuais: no cotidiano, no vestibular R$25,00 Trinta anos-luz: poetas celebram 30 anos de P... R$10,00
Pedaladas poéticas R$10,00 Crepúsculo de arame R$25,00 Vende-se amor R$25,00
Apenas rascunhos R$35,00 29º Salão Nacional de Poesia Psiu Poético R$10,00 Os 50 melhores Sonetos do 7º Festival de Sone... R$10,00
5º Prêmio Literário de Poesia Portal Amigos d... R$10,00 XVII Prêmio PMMG de Poesia 2015 R$10,00 Antologia Jubileu de Ouro da Unimontes: prosa... R$10,00
Antologia Psiu Poético 2010: cinepoesia R$10,00 Antologia do 21º Psiu Poético: montesclarosci... R$10,00 Antologia do 23º Psiu Poético: a invenção dos... R$10,00
Poetas de uma só Língua R$10,00 A Deusa das Letras: Centenário de Nascimento ... R$10,00 Psiu Poético + 25: 26º Salão Nacional de Poes... R$10,00
Psiu Poético 25: 01 Quarto de Século do Salão... R$10,00 De todas as cores: 24º Salão Nacional de Poes... R$10,00 Poetas En/Cena 5: uma reunião de poemas de po... R$10,00
Poetas En/Cena 4: uma reunião de poemas de po... R$10,00 Poetas En/Cena 3: Reunião de poemas de poetas... R$10,00 Poetas de todos os cantos II R$10,00
Poetas de todos os cantos I R$10,00